Caso Clínico – Um

Femur- Casos clinico FisioterapiaPaciente B.A., 68 anos, com osteoporose severa da cabeça do fêmur direito e esquerdo, apresenta dor 8 (escala de 0-10, onde ´´0´´ nenhuma dor e ´´10´´ pior dor possível) no quadril. A mesma encontra-se acamada e relata caminhar apenas para ir ao banheiro e comer. Explique um dos possíveis motivos que desencadeou tal alteração das células ósseas no fêmur desta paciente (correlacionar com células ósseas)?

R: Devido a falta de atividade física da paciente, a produção de osteoblasto foi diminuída e a produção de osteoclasto manteve-se, com isso o remodelamento ósseo é diminuído, fato este que pode a pré-dispor a uma osteoporose severa da cabeça do fêmur.


Caso Clínico – Dois

Paciente M.I., 56 anos, com fasceíte plantar (inflamação da fascia plantar), apresenta dor 8 (escala de 0-10, onde ´´0´´ nenhuma dor e ´´10´´ pior dor possível). Ao avaliarmos a força dos músculos do quadril, é observada fraqueza dos mesmos. Descreva quais são os músculos roteadores laterais do quadril.

R: Glúteo máximo, glúteo médio, glúteo mínimo, obturador interno, obturador externo, gêmeo superior, gêmeo inferior, quadrado femoral e piriforme.


Caso Clínico – Três

Um indivíduo apresenta-se para avaliação física e observamos que todo o membro inferior do mesmo está ‘’rodado para fora’’. Como é o nome desta alteração? Qual acometimento o mesmo irá apresentar, nos rotadores laterais do quadril?

R: Anteversão excessiva do colo femoral. Os músculos rotadores laterais do quadril apresentam-se encurtados.


Caso Clínico – Quatro

Paciente D.A 24 anos, jogadora de vôlei amador. Relata estar com dor no ombro esquerdo aproximadamente 6 semanas. Após o exame radiológico foi observado que a mesma não apresenta alteração óssea. Assim o tipo de acrômio que a paciente apresenta é:

  1. acrômio tipo 1, plano
  2. acrômio tipo 2, curvo
  3. acrômio tipo 3, ganchoso
  4. acrômio tipo 4, impactante
  5. acrômio tipo 5, severo

Caso Clínico – Cinco

O paciente R.T.G. realiza fisioterapia após ter sido submetido a cirurgia de ombro. Após 2 meses o mesmo foi liberado para realizar todos os movimentos da cintura escapular, desta forma aponte a alternativa correta referente a um músculo flexor, extensor, abdutor, adutor, rotador lateral e rotador medial do ombro:

a) Bíceps braquial, tríceps braquial, peitoral maior, deltoide, infra-espinhal e sub-escapular.

b) Bíceps braquial, tríceps braquial, deltoide, peitoral maior, sub-escapular e infra-espinhal.

c) Bíceps braquial, tríceps braquial, peitoral maior, deltoide, sub-escapular e infra-espinhal.

d) Bíceps braquial, tríceps braquial, deltoide, peitoral maior, infra-espinhal e sub-escapular.

e) NDA.


Caso Clínico – Seis

O paciente T.Y.U. de 42 anos apresenta-se á fisioterapia com dor no ombro esquerdo. Após avaliação fisioterapêutica é constatado Síndrome do Impacto. Com objetivo de gerar estabilidade articular realizamos exercícios de fortalecimento muscular. Quais são os músculos que compõe o manguito rotador?

  1. Bíceps braquial, tríceps braquial, deltoide e supra-espinhal
  2. Bíceps braquial, deltoide, supra-espinhal e infra-espinhal
  3. Bíceps braquial, deltoide, supra-espinhal, redondo menor
  4. Supra-espinhal, infra-espinhal, redondo maior e subescapular
  5. Supra-espinhal, infra-espinhal, redondo menor e subescapular

Caso Clínico – Sete

Após passar por avaliação fisioterapêutica, o paciente J.B.A, de 35 anos apresentou dor na região anterior do ombro. Ao final de seu tratamento o fisioterapeuta observa que o paciente apresenta os movimentos de todas as articulações da cintura escapular, normais. Desta forma descreva quais são as articulações da cintura escapular?

R: Esterno-clavicular, acrômio-clavicular, glenoumeral e escapulotorácica.


Caso Clínico – Oito

Após cair de uma altura de 3 metros, o paciente A.V.T. foi submetido a uma ressonância magnética. Na mesma, pode ser observado a seguinte imagem:

Caso Clinico Fisioterapia

Notem que o paciente apresenta uma lesão na região superior do lábio (ou labrum) glenoidal. Esta patologia pode ser diagnosticada como:

  1. Bankart
  2. Tendinite do supra-espinhal
  3. Hill-Sacks
  4. Lesão de Slap
  5. Bursite

Caso Clínico – Nove

O paciente F.F.O. de 21 anos, relata ter dor no ombro esquerdo. Ao realizarmos avaliação fisioterapêutica, pode ser observado que o paciente apresenta síndrome do impacto. Aponte a alternativa correta em relação a origem e inserção do supra-espinhal:

  1. Origem: fossa supra-espinhal da escápula; Inserção: tubérculo maior do úmero
  2. Origem: fossa infra-espinhal da escápula; Inserção: tubérculo maior do úmero
  3. Origem: fossa supra-espinhal da escápula; Inserção: tubérculo menor do úmero
  4. Origem: espinha da escápula da escápula; Inserção: tubérculo menor do úmero
  5. Origem: acrômio; Inserção: tubérculo maior do úmero

Caso Clínico – Dez

O paciente F.G.O. de 41 anos, relata ter dor no ombro direito. Ao realizarmos avaliação fisioterapêutica, pode ser observado que o paciente apresenta lesão do tendão do músculo bíceps braquial. Aponte a alternativa correta em relação a origem e inserção do bíceps braquial:

  1. Origem: tubérculo supra-gleinodal e acrômio; Inserção: tuberosidade do rádio
  2. Origem: tubérculo supra-glenoidal e processo coracóide; Inserção: tuberosidade do rádio
  3. Origem: tubérculo supra-gleinodal e acrômio; Inserção: tuberosidade da ulna
  4. Origem: tubérculo supra-gleinodal e processo coracóide; Inserção: tuberosidade da ulna
  5. Origem: tubérculo infra glenoidal e acrômio; Inserção: tuberosidade do rádio

Caso Clínico – Onze

O paciente T.G.O. de 51 anos, relata ter dor no ombro direito. Ao realizarmos avaliação fisioterapêutica, pode ser observado que o paciente apresenta lesão do tendão do músculo tríceps braquial. Aponte a alternativa correta em relação a origem e inserção do tríceps braquial:

  1. Origem: tubérculo supra glenoidal da escápula, face posterior do úmero acima do sulco do nervo radial; Inserção: olecrano da ulna.
  2. Origem: tubérculo infra glenoidal da escápula, face posterior do úmero acima do sulco do nervo radial e face posterior abaixo do sulco do nervo radial; Inserção: olecrano do rádio.
  3. Origem: tubérculo infra glenoidal da escápula, face posterior do úmero acima do sulco do nervo radial e face posterior abaixo do sulco do nervo radial; Inserção: olecrano da ulna.
  4. Origem: tubérculo supra glenoidal da escápula, face posterior do úmero acima do sulco do nervo radial e face posterior abaixo do sulco do nervo radial; Inserção: olecrano do rádio.
  5. Origem: tubérculo infra glenoidal da escápula, face posterior do úmero acima do sulco do nervo radial e face posterior abaixo do sulco do nervo radial; Inserção: olecrano do úmero

Caso Clínico – Doze

O paciente G.I.O. de 24 anos, relata ter dor no ombro esquerdo. Ao realizarmos avaliação fisioterapêutica, pode ser observado que o paciente apresenta lesão do tendão do músculo deltóide. Aponte a alternativa correta em relação a ação muscular do deltoide (agonista e como sinergista):

  1. Agonista: adução de ombro; Sinergista: flexão e extensão de ombro
  2. Agonista: rotação interna de ombro; Sinergista: flexão e extensão de ombro
  3. Agonista: rotação externa de ombro; Sinergista: flexão e extensão de ombro
  4. Agonista: abdução de ombro; Sinergista: flexão e extensão de ombro
  5. Agonista: flexão de ombro; Sinergista: abducão e extensão de ombro

Caso Clínico – Treze

O paciente R.U.O. de 36 anos, apresentou-se a fisioterapia após cair de uma altura de 3 metros. O mesmo relata ter passado no pronto socorro próximo a sua casa, ter feito raio-x e não apresenta alteração alguma no exame de de imagem. Após algum tempo o paciente diz ter começado a ficar com o ombro rígido e este fato vem se agravando. Na avaliação fisioterapêutica, foi realizados testes ligamentares e tendíneos, onde os mesmos apresentaram íntegros. A rigidez articular pode ter desencadeado no paciente devido:

  1. Capsulite adesiva
  2. Fratura completa da cabeça do úmero
  3. Fratura incompleta da cabeça do úmero
  4. Tendinite do músculo supra-espinhal
  5. NDA

CampCursos – Aprimoramento Profissional

0800 – 878 3142