Uma jovem britânica de 22 anos contraiu a doença como parte de um estudo clínico que terá um ano de duração

 

Britânica Siân Rogers aceitou participar de experimento remunerado para testar vacina contra doença
Siân Rogers, de 22 anos, aceitou participar de estudo clínico remunerado para testar uma nova vacina contra a febre tifoide. O experimento, que durará 1 ano, envolve ser infectada pela doença e tomar 3 doses da nova vacina(VEJA.com/Reprodução)

Siân Rogers, uma estudante britânica de 22 anos, aceitou participar de um estudo clínico para febre tifoide. Como parte do ensaio, que terá duração de um ano, a jovem precisou ser infectada pela doença. Em contrapartida, ela irá receber 3.000 libras, o que equivale a cerca de 16.000 reais. As informações são da BBC Brasil.

Embora tenha afirmado que seu maior interesse ao participar deste tipo de estudo é o dinheiro, Siân apontou um segundo motivo para aceitar o convite. “É muito importante que tenhamos pesquisas médicas. Doenças como a febre tifoide em alguns países pode matar pessoas”, disse ela ao Newsbeat, programa de rádio da rede BBC.

O interesse de Siân pelos estudos clínicos começou quando ela viu em sua faculdade, a Universidade Oxford Brookes, na Inglaterra, um cartaz convocando participantes para um estudo sobre ansiedade. Entretanto, a jovem foi rejeitada por ser “muito feliz”. Foi aí que ela decidiu procurar outras oportunidades e encontrou um teste clínico sobre ebola.

Enquanto estava em uma sala de espera para o estudo de ebola, a jovem viu o cartaz de convocação para o estudo de febre tifoide e decidiu se inscrever. Após ser aprovada para participar, a estudante voltou ao local no dia 1º de fevereiro, quando tomou um copo d’água contendo a bactéria Salmonella typhi ─ que transmite a febre tifoide.

Ao longo de duas semanas após tomar a água contaminada, Siân precisou ir todos os dias ao hospital para fazer um check-up, além de manter um diário sobre a temperatura de seu corpo.

 

“A primeira semana foi tranquila. Já na segunda comecei a sentir muita tontura. Eu tinha uma apresentação na faculdade e não consegui me levantar. Lembro-me de que na terça-feira daquela semana, eu já não conseguia nem sair da cama. Só piorou, até eles me darem os antibióticos e então comecei a me sentir melhor muito mais rápido”, contou a jovem.

A jovem também recebeu a primeira dose, de três, da vacina que está sendo testada contra a doença. Agora que se recuperou, Siân só precisa voltar ao hospital quatro vezes durante o ano para um check-up eventual. Apesar dos sintomas, a jovem afirma que em nenhum momento ficou com medo.

Segundo a BBC, testes clínicos que envolvem contrair doenças, como ebola ou febre tifoide não são comuns no Reino Unido. O estudo do qual Siân está participando é realizado pelo Grupo de Vacinas de Oxford (OVG, na sigla em inglês), que realiza pesquisas sobre vacinas para adultos e crianças na Universidade Oxford, na Grã-Bretanha.

Febre tifoide – A febre tifoide é uma doença altamente contagiosa causada pela bactéria Salmonella typhi. Sua transmissão é feita pelo contato com fezes ou urina do doente e os sintomas incluem dor de estômago, dor de cabeça, febre alta e constipação ou diarreia. Quando não tratada, um quinto das pessoas morre, mas a administração de antibióticos costuma curar a doença em 15 dias.

Fonte – Veja Saude