Objetivo é tratar doenças que afetam o aparelho locomotor.
Tratramento é oferecido pelo SUS em parceria com a Clínica Escola.

 Do G1 Sul de Minas

O aparelho tem sensores que captam os movimentos dos pacientes e, com isso, os fisioterapeutas podem habilitar jogos que estimulem as dificuldades apresentadas pelos pacientes.

Pacientes usam videogame para fazer fisioterapia virtual em Itajubá (MG) (Foto: Reprodução EPTV)
Pacientes usam videogame para fazer fisioterapia
virtual em Itajubá (MG) (Foto: Reprodução EPTV)

“A interação com o videogame ajuda força muscular, coordenação motora, no equilíbrio dos pacientes, prevenindo quedas e auxiliando muito nas atividades de vida diária deles”, explica a fisioterapeuta Fernanda Cortez Moraes.

O analista de sistemas José Alberto Ribeiro Gomes descobriu há quatro anos que tinha uma doença degenerativa sem cura. Ela destrói as células do sistema nervoso e afeta, consequentemente, os movimentos do corpo. “É uma síndrome do anticorpo antifosfolípide. Essa safra atingiu o meu córtex frontal e atingiu meus rins”, conta ele.

Há dois meses, Gomes vem se tratando na clínica. Segundo ele, a técnica já ajudou no ganho de controle motor e na recuperação do equilíbrio. “Os meus membros estão trabalhando por igual agora. Eu era canhoto, agora eu estou conseguindo exercitar o lado direito também”.

As sessões são conduzidas por estudantes do quarto e quinto anos do Centro Universitário, mas contam sempre com a supervisão de um fisioterapeuta. Os atendimentos são todos realizados pelo SUS e, por enquanto, 20 pessoas são atendidas. A expectativa, no entanto, é atender o dobro de pacientes.

“Hoje nós temos capacidade para ainda atender mais 22 pacientes com doenças neurodegenerativas ou alguma outra doença de origem traumática que acometa diretamente o aparelho locomotor”, afirma o fisioterapeuta Luís Henrique Sales Oliveira.

José Alberto Ribeiro Gomes está se tratando na clínica há dois meses e diz que já houve melhora (Foto: Reprodução EPTV)
José Alberto Ribeiro Gomes está se tratando na clínica há dois meses e diz que já houve melhora (Foto: Reprodução EPTV)
Fonte G1